CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Cidades Destaques Notícias

Produtor deve monitorar incidência da vaquinha-preta-e-amarela nas lavouras de soja

Redação
Redação fev 22

Entomologista e pesquisadora da Fundação MT orienta sobre a importância do manejo do coleóptero Cerotoma arcuata no tempo certo

Screenshot_20220222-101329-572

Praga comum em todas as regiões do Brasil, juntamente com outros coleópteros que ocorrem na soja, a Cerotoma arcuata, também conhecida como vaquinha-preta-e-amarela, merece atenção por parte do produtor. Este inseto é polífago, ou seja, se alimenta de uma ampla variedade de fontes, causando prejuízos em muitas culturas como da oleaginosa, feijoeiro, caupi e cucurbitáceas, e também são observados em áreas de cultivo do algodoeiro.

O alerta da doutora em entomologia e pesquisadora da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), Lucia Vivan, é principalmente por conta do aumento na incidência dessa espécie durante os últimos anos, especialmente na região médio norte de Mato Grosso. “Nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde e áreas próximas, por exemplo, tem relatos de altas infestações no ciclo da soja, com danos em estruturas reprodutivas importantes”, aponta.

A especialista destaca que a atenção, contudo, deve ser de toda a classe produtora, já que a vaquinha-preta-e-amarela não é um problema só dos produtores mato-grossenses. Além disso, é válido lembrar que a praga atinge maior densidade populacional no final da floração, mantendo-se até o enchimento de grãos e final do ciclo. Lucia conta que essa espécie, na fase larval, alimenta-se de raízes e nódulos nitrificadores, podendo limitar a fixação de nitrogênio em até 45%.

“Os adultos reduzem a parte aérea, pois consomem cotilédones, folhas, órgãos reprodutivos, como as vagens nos estádios R3, R4 e início de R5, assim, dependendo do estádio de desenvolvimento da soja podem provocar perdas significativas, principalmente em cultivares de desenvolvimento semi-determinado e indeterminado”, explica a pesquisadora.

Screenshot_20220222-101235-185

O que fazer?

É importante monitorar a presença do inseto desde a emergência da soja, pois ele pode causar desfolha já nos primeiros estágios da planta. “No vegetativo esse inseto causará desfolha, no entanto, na fase reprodutiva eles atacam as vagens, onde o dano é até maior que nas folhas por ter efeito direto. Isso ainda gera quedas de vagens e lesiona outras, com perda de até um grão ou mais”, relata a entomologista.

O produtor deve realizar controle da infestação, segundo orientação técnica de um profissional, quando o índice de desfolha estiver na média de 30%, no entanto, o estágio da planta deve ser considerado, como também o número de folhas. “No reprodutivo, a partir de R3, a atenção deve ser maior, pois se alimentarão das vagens. Essa ocorrência mostra que, embora os adultos também se alimentem de folhas, devem ter preferência por flores e vagens de soja, resultando em danos diretos para a cultura. Hoje, na pesquisa, temos dados sobre preferência por algumas cultivares de soja em relação a outras”, explica a doutora.

Pesquisas em andamento

A Fundação MT, buscando sempre a informação mais assertiva para o produtor, está conduzindo trabalhos com a Cerotoma arcuata, avaliando o controle do inseto e proteção à cultura com acompanhamento da desfolha e danos em vagens. Os estudos estão sendo realizados no CAD (Centro de Aprendizagem e Difusão) Norte, em Sorriso, por ser uma região onde se observa uma população superior da espécie, “no entanto, essa praga está presente em todas as regiões do estado de Mato Grosso e no restante do País”, salienta a pesquisadora Lucia.

“Temos necessidade de realizar mais estudos sobre o controle dela, visto que ocorrem reinfestações frequentes nas áreas. Estudos de preferência a determinadas cultivares também estão em pauta para novas pesquisas”, conclui a entomologista.

Fundação MT: Criada em 1993, a instituição tem um importante papel no desenvolvimento da agricultura, servindo de suporte ao meio agrícola na missão de dar vida aos resultados através do desenvolvimento de tecnologias aplicadas à agricultura. A sede está situada em Rondonópolis-MT, contando com três laboratórios e casas de vegetação, um centro de pesquisa local e outros seis Centros de Pesquisa Avançada (CAD) distribuídos pelo Estado, nos municípios de Sorriso, Nova Mutum, Itiquira, Primavera do Leste e Serra da Petrovina. Para mais informações acesse www.fundacaomt.com.br e baixe o aplicativo da instituição.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *