CUIABÁ

POLÍTICA NACIONAL

CDH vai pedir proteção para vigilantes indígenas do Vale do Javari e ouvir ministro da Justiça

Publicado em

Com a aprovação de sete requerimentos, nesta segunda-feira (20), a Comissão de Direitos Humanos (CDH) decidiu aprofundar sua participação nas investigações e medidas referentes aos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Philips e à situação do Vale do Javari, no Amazonas.

O REQ 36/2022 – CDH, de autoria do presidente da Comissão, o senador Humberto Costa (PT-PE), pede que seja garantida “a imediata proteção e segurança aos vigilantes indígenas que compõem a Equipe de Vigilância da Univaja (EVU)”, a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari. De acordo com o senador, a solicitação de proteção foi feita pelos próprios ameaçados.

— A nossa solicitação advém de um pedido que nos foi feito por todos aqueles que trabalham com a Univaja e com outras instituições, naquela região do Vale do Javari, pessoas que estão ameaçadas, inclusive indígenas, e eu requeiro a aprovação desse pedido, para que nós tomemos as providências para acionar a Polícia Federal, o próprio ministro da Justiça, a Polícia do Estado do Amazonas — afirmou Humberto.

O pedido de proteção e segurança abrange também os coordenadores da Univaja Paulo Marubo, Eliésio Marubo e Eriberto Marubo; bem como colaboradores da EVU, entre eles Orlando Possuelo e Tataco, além dos servidores da Coordenação Regional Vale do Javari e da Frente de Proteção Etnoambiental Vale do Javari, “que atuam na Terra Indígena Vale do Javari, e outros a serem oportunamente indicados”.

— Queria registrar aqui o nosso pesar, a nossa tristeza por esse episódio brutal acontecido no estado do Amazonas, envolvendo o assassinato de um indigenista, Bruno Pereira, um pernambucano que trabalhava já há muitos anos na Funai e que chegou a ser exonerado por ter comandado ações contra atos ilegais cometidos naquela região, seja do ponto de vista de pesca, de garimpo, de comercialização de madeira ilegalmente, e que, mesmo afastado da Funai, continuou a desenvolver um trabalho junto aos povos mais isolados daquela região. Da mesma forma, o jornalista Dom Philips, jornalista de renome mundial que estava trabalhando na elaboração de um livro e que vinha fazendo uma pesquisa profunda na Região Amazônica. Esse livro se chamava Como Salvar a Amazônia, nós lamentamos profundamente esse fato, esperamos e temos cobrado que as autoridades tanto policiais — a polícia do Estado do Amazonas, a Polícia Federal — quanto o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual possam conduzir essa investigação da forma mais célere e mais profunda possível — afirmou o presidente da CDH.

Leia Também:  Ameaças no Vale do Javari continuam, revela liderança índigena à comissão

Humberto Costa também pediu que os responsáveis pelo crime sejam identificados e punidos, inclusive os mandantes.

Ministro, prefeito e diligências

Por meio do REQ 32/2022 – CDH, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a Comissão vai chamar o ministro da Justiça, Anderson Torres, para prestar informações sobre o “aumento da criminalidade e de atentados contra povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e jornalistas na região Norte e em outros estados”, e sobre as providências adotadas diante dos assassinatos de Bruno e Dom. O ministro será ouvido conjuntamente pela CDH e pela recém-criada Comissão Temporária Externa que investiga crimes na Amazônia, da qual Randolfe é presidente.

Sobre o mesmo assunto, o REQ 34/2022 – CDH, também de Randolfe, requer que o prefeito de Atalaia do Norte (AM), Denis Linder Rojas de Paiva, preste informações à Comissão. Para o senador, o prefeito é “grande conhecedor do local” e vai “contribuir com informações de grande relevância para a situação que assola atualmente a região”. Na mesma linha, também foi aprovado o REQ 35/2022 – CDH, de Randolfe, para que seja feita diligência da Comissão em Manaus e em Atalaia do Norte.

“Os desaparecimentos e as mortes, agora confirmadas, do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian, tornaram-se notícia no Brasil e no mundo, trazendo à tona o problema do aumento da criminalidade e de atentados contra povos indígenas, quilombolas e ribeirinhos e jornalistas na região Norte e em outros estados. Desde o início do governo Jair Bolsonaro foram denunciados o desmantelamento do aparelho estatal de repressão à criminalidade ambiental, de proteção às minorias, bem como os ataques incessantes contra a imprensa, contexto que está intimamente relacionado com o caso de Bruno Araújo Pereira e de Dom Phillips”, afirma Randolfe no requerimento de convite a Anderson Torres.

Leia Também:  Rádios comunitárias

Outro requerimento de Randolfe, o REQ 33/2022 – CDH, determina que a Comissão faça diligência no estado do Amazonas para acompanhar as investigações dos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Philips.

Audiência pública

De Humberto Costa, o REQ 37/2022 – CDH pede que a Comissão faça uma audiência pública, em conjunto com a Comissão Temporária Externa, com as presenças de Marcelo Augusto Xavier da Silva, presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) e de representantes da Univaja e da Indigenistas Associados.

“Segundo informações da Univaja, Bruno recebia constantes ameaças de madeireiros, garimpeiros e pescadores. O governo falha em combater atividades criminosas e, estranhamente, ao mesmo tempo tenta legalizá-las. O desmatamento amazônico, por exemplo, tem subido ano a ano. A área devastada no ano passado é mais de oito vezes superior à da cidade de São Paulo. Entre 2012 a 2021, a Amazônia concentrou mais de 70% das mortes por conflitos fundiários no país”, afirma Humberto Costa no requerimento.

Ele também registra que levantamento da Comissão Pastoral da Terra (CPT) mostrou que 313 pessoas perderam a vida em disputas por terra na região em 2021. Os grupos mais vitimados foram povos indígenas (26% dos assassinados) e quilombolas (17%).

“Só em 2021, segundo outro relatório da CPT, foram registradas ameaças de morte contra 32 lideranças indígenas ou servidores públicos que atuam em defesa dos territórios. A maioria da lista é composta de cacicas e caciques de comunidades locais, além de lideranças ativistas em defesa de povos indígenas”, acrescenta o senador.

Também de Humberto Costa é o REQ 38/2022 – CDH, para promover compartilhamento automático dos trabalhos e investigações da Comissão Temporária Externa presidida por Randolfe Rodrigues.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLÍTICA NACIONAL

Vera Lúcia, do PSTU, registra de candidatura à Presidência no TSE

Published

on

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu ontem (6) o pedido de registro de candidatura da operária Vera Lúcia, do PSTU, à presidência da República. A candidata à vice-presidência é a indígena Raquel Tremembé.

No pedido de registro, Vera declarou depósito de R$ 8,8 mil em poupança como único item da lista de bens. De acordo com informações do site do TSE, ainda não houve cadastramento da lista de bens de Raquel.

A candidatura do PSTU não tem coligações e o partido não participa de nenhuma federação partidária.

Conforme proposta de governo enviada ao TSE, a chapa do PSTU defende uma “alternativa socialista à barbárie promovida pelo capitalismo”.

O pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral é o primeiro passo para a oficialização dos nomes dos candidatos que foram aprovados nas convenções partidárias e pretendem concorrer às eleições de outubro.

Oficialmente, a campanha eleitoral, quando os candidatos podem efetivamente pedir votos e divulgar seus números, começa no dia 16 de agosto. O registro no TSE e nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) deve ser feito até o dia 15 de agosto.

Leia Também:  Nova lei prevê devolução de valores cobrados a mais na conta de energia

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA