CUIABÁ

Política MT

Comissão Parlamentar de Inquérito investiga fatos de relevante interesse à vida pública

Publicado em

A CPI do Leite está em andamento na ALMT.

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

A TVAL – Canal 30.1 – produziu uma reportagem informando como funciona uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI – na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). A matéria exibida pelo AL Informa registra, por exemplo, a criação e instalação das CPIs, durante a 19ª Legislatura – 2019/2023.

Na atual Legislatura, a Assembleia Legislativa criou e instalou quatro Comissões Parlamentares de Inquéritos, mais conhecida como CPI, para investigar e averiguar possíveis irregularidades em diversos setores produtivos do Estado de Mato Grosso. No Brasil, esse modelo de investigação tem 87 anos. 

A CPI já faz parte do cotidiano brasileiro. Uma das mais conhecidas, em nível nacional, é a dos “Anões do Orçamento”, realizada no Congresso Nacional, na década de 1990, por desvios de verbas públicas. Em Mato Grosso, de acordo com o Regimento Interno da Assembleia Legislativa, a CPI é composta por cinco deputados titulares e outros cinco suplentes.  

Ela é criada por tempo determinado e com a assinatura de pelo menos oito deputados. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito tem prazo definido de 180 dias e pode ser prorrogada por mais 30 dias para que o relator possa concluir o relatório final da CPI. Mas caso a Assembleia Legislativa tenha três CPIs em andamento, a quarta fica vedada à criação, a não ser que o autor do requerimento de autoria à instalação consiga a assinaturas de 2/3, entre os 24 parlamentares, que é de 16 deputados.

A presidência, geralmente, é ocupada pelo deputado que solicitou a CPI. Enquanto isso, a vice-presidência e o relator são eleitos na reunião de instalação da comissão. As reuniões da comissão são públicas, mas os deputados podem decretar o sigilo das discussões para não prejudicar os trabalhos de investigação. 

Questionado se a CPI pode determinar a prisão em flagrante do investigado ou testemunha, caso apresentem falso testemunho, o secretário Parlamentar da Mesa Diretora, José Domingos Fraga, afirmou que cabe a Justiça pedir a prisão dos depoentes. 

Leia Também:  Paccola diz que não vai se manifestar até ter acesso ao inquérito

“A CPI não tem capacidade para isso. A pessoa ainda está sendo investigada, o processo não foi transitado e nem julgado. A CPI não julga, quem julga é a Justiça. Ela pode sugerir indiciamento, mas quem indicia é a Polícia Civil e o Ministério Público”, disse. 

No final dos trabalhos, a Comissão apresenta um relatório com as conclusões e sugestões para o cenário investigado. O relatório produzido é encaminhado à votação em Plenário, caso o documento seja aprovado é remetido pela Mesa Diretora aos órgãos de controle (Ministério Público do Estado e Tribunal de Contas do Estado) para as devidas providências. 

“O Ministério Público, que é um órgão de controle de fiscalização, tem a obrigação de indiciar as pessoas envolvidas no processo. O relatório é enviado para o Executivo para ter conhecimento e, com isso, tomar as providências à proteção do patrimônio público. O relatório é também enviado para o judiciário, para quando as petições chegarem lá, ter conhecimento das investigações que foram feitas pela CPI”, explicou Fraga.

Em relação à CPI da Previdência, que teve o seu relatório aprovado pelo Plenário das Deliberações, o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Previdência dos Servidores Públicos do Estado, deputado João Batista Sindspen (PP), afirmou que foram encontradas algumas dificuldades durante o processo de investigação realizadas pela CPI. 

A comissão foi criada para apurar a contabilidade dos órgãos responsáveis pelas aposentadorias dos servidores públicos estaduais. “Primeiro é interessante que a sociedade conheça o trabalho que foi realizado na comissão de inquérito. Os integrantes da CPI não trabalharam apenas com fatos acontecidos nesse momento, mas foram investigadas possíveis irregularidades que foram cometidas há 20 e 30 anos”, disse Batista. 

Ele disse ainda que nesse período de investigação, a CPI encontrou dificuldades para conseguir provas documentais e ainda localizar os servidores que trabalharam na previdência naquele período. “Muitos já estão aposentados, afastados e nem moram mais em Mato Grosso. Eles tinham informações importantes para trazer para o processo. Infelizmente, documentos que deveriam estar no arquivo público do estado sumiram”, afirmou o presidente da CPI. 

Leia Também:  Comissão de Fiscalização Financeira cancela reunião com ministro de Ciência e Tecnologia nesta quarta

Com a aprovação do relatório final, João Batista afirmou que os trabalhos para esclarecer os fatos investigados devem ter continuidade. “Quando a sociedade diz que as CPIs acabam em pizza, muitas vezes, é porque a função do legislativo não é utilizar o poder de polícia e prender. A função do Legislativo é averiguar as informações e passar para os setores de controle e fiscalização, que é o Ministério Público e o Tribunal de Contas. Mas a Comissão de Saúde e Previdência vai acompanhar as evoluções das investigações”, disse o parlamentar.

As CPIs criadas na 19ª Legislatura da Assembleia Legislativa são: 

CPI da Renúncia e da Sonegação Fiscal. Encerrada. O relatório já foi aprovado na comissão. Falta ser aprovado em Plenário. Ela foi instalada no dia 12/3/2019 e foi presidida pelo deputado Wilson Santos (PSD).

CPI da Energisa. Ela foi encerrada. Mas o relatório ainda não foi votado pelos integrantes na comissão. Ela foi criada para investigar o aumento nas contas de energia elétrica no estado, o enxugamento nos quadros de funcionários e a má prestação dos serviços concessionados. Ela foi instalada no dia 23/3/2019 e foi presidida pelo deputado Elizeu Nascimento (PL).

CPI da Previdência que investigou a Previdência dos servidores públicos de Mato Grosso. Encerrada. Ela foi instalada no dia 27/3/2019. A CPI foi presidida pelo deputado João Batista do Sindspen (PP). Aprovado o relatório final em Plenário. 

CPI do Leite e Derivados. Ela investiga o monopólio da cadeia produtiva do leite e seus derivados. A CPI foi instalada no dia 26/3/2022. Ela é presidida pelo deputado Gilberto Cattani (PL). Em andamento.  

Para assistir a matéria da TVAL, clique Aqui.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Política MT

Wellington ouve demanda e estuda propor projeto que remunera alunos monitores das escolas militares

Published

on

O senador Wellington Fagundes (PL) recebeu a sugestão e estudar propor um projeto de lei para remunerar os alunos monitores das escolas militares. A proposta partiu da direção da Escola Militar Tiradentes de Cuiabá, mas ao passar pelo Congresso Nacional, passará a valer para todas as instituições de ensino militar do país.

 

Ao lado do governador Mauro Mendes, Wellington Fagundes prestigiou a abertura do 1º Jogos Escolares das Escolas Militares Tiradentes e Dom Pedro, na manhã desta quarta-feira (17), na Arena Pantanal.

O tenente PM Claudio explicou ao senador que os alunos com as melhores notas e de melhor comportamento são selecionados para ajudar a manter a disciplina na escola e são considerados braço direito dos militares.

“Sugerimos uma bolsa formação para esses alunos, pois eles são diferenciados, braço direito dos militares, ajuda das disciplina e na organização da escola. Eles estão o tempo todo conosco, é um pessoal que chega pro primeiro e sai por último. São alunos padrão da escola e a proposta seria recompensá-los por isso”, argumentou.

Leia Também:  Comissão aprova proposta que fixa medidas sanitárias para visitação em presídios

Fagundes destacou que a proposta é boa e vai analisar para levar para o Congresso Nacional, onde pretende se eleger para mais 8 anos de trabalho em prol de Mato Grosso.

“É uma remuneração mesmo pelo trabalho prestado. Eu quando fiz a universidade, eu era monitor e recebia por isso. As escolas militares do Mato Grosso são um sucesso, todas as cidades estão pedindo para implantar uma escola militar pela disciplina, garantindo o aprendizado mais eficiente. Vamos trabalhar para que a gente possa apresentar um projeto para que nas escolas militares tenham a figura dos monitores recebendo bolsa de estudo, uma bolsa de aplicação para o trabalho prestado”.

O senador parabenizou o governador Mauro Mendes por ampliar o número de escolas militares em Mato Grosso, que deve chegar a 30 instituições até o fim deste ano. Além disso salientou que as crianças e jovens precisam de educação e oportunidades.

“Espero que possamos avançar mais e que nos próximos quatro anos ter uma escola militar em todas as cidades do Estado. Vossa Excelência está trabalhando pra isso e o governo tem hoje 100 milhões de dólares definidos para ser investidos na educação nos próximos quatro anos”, destacou em discurso.

Leia Também:  Comissão vota proposta sobre filtro de relevância em recursos especiais ao STJ

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA