CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Destaques Polícia

Operação conjunta desarticula refinadora de cocaína e prende 4 pessoas na fronteira com a Bolívia

Redação
Redação mar 02

Gefron confirma que cerca de 10 toneladas de cocaína eram refinadas no local, que fica próximo ao município de Comodoro, região oeste de Mato Grosso

Uma operação conjunta entre a Polícia Federal de Cáceres, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e a Força Especial de Luta Contra o Tráfico (Bolívia) resultou na desarticulação de um laboratório utilizado como refinadora de cocaína e na prisão de quatro pessoas.

A Operação Guaporé teve início com diversas denúncias de que na região do Rio Guaporé, próximo a Comodoro, diversos aviões de pequeno porte estariam pousando. A hipótese era de que as aeronaves faziam o transporte da pasta base de cocaína até este laboratório e ali era refinada para se transformar em cloridrato de cocaína.

Posteriormente era embalada, atravessava o Rio Guaporé com destino ao Brasil, onde era colocada em barcos ou caminhonetes e embarcada para distribuição no país. As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa na sede da Polícia Federal, em Cuiabá, na manhã desta terça-feira (01.03).

Com a força-tarefa montada, o laboratório foi encontrado em território boliviano, a cerca de quase 2 quilômetros da fronteira com o Brasil nesta segunda-feira (28.02). Os quatro suspeitos encontrados no local foram presos em flagrante e encaminhados para a cidade boliviana Santa Cruz de la Sierra.

“Trata-se de uma das maiores estruturas empregadas para o refino de cocaína já desarticuladas na região, após um meticuloso trabalho desenvolvido por meio da cooperação entre as forças policiais do Brasil e da Bolívia”, explicou o coordenador do Gefron, tenente-coronel PM Fábio Ricas.

Ainda de acordo com Ricas, a estimativa é de que eram refinados aproximadamente 10 toneladas de cocaína mensalmente no local. Além das prisões, foram encontrados e apreendidos materiais para o refino, grandes quantidade de cocaína e equipamentos como destilador, um gerador, sistema de internet via satélite e rádio comunicadores.

As investigações continuam em curso para identificar os indivíduos envolvidos, seja no refino ou no transporte da substância entorpecente no Brasil, além das rotas utilizadas e destino final da droga.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *