CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Destaques Notícias Política

Obra de UBS já consumiu R$ 1 milhão e está parada desde 2018, em Cuiabá

Redação
Redação maio 13

A obra de construção da Unidade Básica de Saúde (UBS), do Bairro Nova Conquista, em Cuiabá, está abandonada desde 2018. No projeto, que está tomado pelo mato, já foram gastos mais de R$ 1 milhão.

A obra teve início em setembro de 2017 e a conclusão estava prevista para março de 2018. Caso fosse finalizada, a unidade de saúde atenderia aos moradores dos bairros Nova Conquista, Ouro Fino e do Residencial Ana Maria, porém, a obra está completamente abandonada.

Para a vereadora Michelly Alencar (União Brasil), a situação da UPA é um claro desperdício de dinheiro público. Além disso, segundo ela, milhares de famílias da região deixam de ser assistidas devido à má gestão de recursos públicos.

“Essa é mais uma fiscalização em uma obra de milhões, com gestão de centavos. É um absurdo que essas pessoas que pagam seus impostos e merecem atendimento digno especialmente em relação à saúde e são ignoradas”, destaca.

O cenário é desolador. Parte do que foi executado já está deteriorando e sendo tomado pelo matagal.

Em 2019, o Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para apurar a paralisação e abandono da obra. Para o MPE, o abandono da obra é evidente, causando prejuízos à coletividade que necessita do acesso aos serviços da saúde.

Michelly lamenta a paralisação da obra e cobra o término da construção. Até agora não existe nem expectativa de retomada e conclusão.

A parlamentar cobra respostas da prefeitura em nome de todas as famílias que precisam se deslocar para outras unidades de saúde, longe de casa, devido à ingerência da atual gestão em Cuiabá. “Não me surpreende o descaso dessa gestão com a saúde pública. Mas não iremos aceitar que isso permaneça. Precisamos de resoluções práticas”, diz.

A vereadora quer saber se a obra será finalizada e qual o novo prazo de finalização da UPA Nova Conquista.  “Também queremos saber onde foram parar os mais de R$ 1 milhão destinados a essa obra”, questiona.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *