CUIABÁ

MUNDO

Iraniano na lista do FBI pilotava avião venezuelano preso na Argentina

Publicado em

source
Boeing 747 Venezuela
Reprodução redes sociais 20.06.2022

Boeing 747 Venezuela

O Boeing 747 , da empresa estatal venezuelana Emtrasur , está preso no Aeroporto Internacional de Ezeiza (EZE) em Buenos Aires desde o dia 6 de junho. O cargo contava com tripulação de 19 profissionais, 14 deles venezuelanos e cinco iranianos,atividade já o proibida pelas regras de aviação internacional. E é justamente essa ligação entre o Irã e a Venezuela que mantém o avião e tripulação sem a possibilidade de sair.  

Uma reportagem do jornal argentino Clarín deste domingo, revela um relatório enviado pelo FBI à justiça argentina onde informa que capitão da tripulação  Gholamreza Ghasemi  está associado ao Corpo da Guarda Revolucionária da República Islâmica do Irã (Forças Curdas) e ao Hezbollah do Líbano’ .

O relatório diz que  Ghasemi está listado como membro das Forças Curdas e opera em campos de treinamento do Hezbollah no Vale do Bekaa, no Líbano. Ele teria treinado mais de 3.000 combatentes da milícia libanesa nas instalações de treinamento do IRGC no Irã . No relatório, o FBI afirma que os grupos tiveram “participação direta” em diferentes atividades terroristas, tornando complicada sua situação judicial na Argentina.

Leia Também:  Casal é preso com armas de fogo e porções de drogas em Sorriso

A reportagem diz que o governo argentino recebeu alerta do Paraguai e, EUA e Israel manifestaram preocupação com a presença do avião na Argentina. A aeronave teria desligado o transponder (uma espécie de GPS do aeronaves) no espaço aéreo argentino.

O Clarín afirma que no relatório do FBI ” Ghasemi  consta como CEO e membro do conselho de administração da Qeshm Fars Air , alertando para sanções financeiras e econômicas contra empresas ou pessoas que colaboram com as empresas acusadas de fornecer apoio logístico a o terrorismo dos EUA”. A Qeshm Fars Air sofre sanção do Tesouro dos EUA  desde dezembro de 2019 devido ao seu envolvimento direto em atividades terroristas e à assistência que presta a ‘Forças Curdas’ . Tanto essa empresa quanto a companhia aérea iraniana Mahan Air , que vendeu Boeing à Venezuela estão sob sanções dos Estados Unidos. 

Leia Também:  EUA: polícia identifica suspeito de atirar em desfile em Illinois

Terrorismo na Argentina

Em 1994 um ataque terrrorista contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) causou a morte de 85 pessoas. O ataque seria de autoria de um grupo paramilitar ligado ao Hezbollah, chamado de Ansar Allah. Por isso a justiça argentina mantém o passaporte dos tripulantes até que a investigação seja concluida. Caso se confirme relação com os crimes, Ghasemy pode ser acusado por exemplo por tentativa de espionagem. 

Documento FBI enviado à justiça argentina
Reprodução

Documento FBI enviado à justiça argentina

Documento FBI enviado à justiça argentina
Reprodução

Documento FBI enviado à justiça argentina

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

MUNDO

Trump pode ser proibido de concorrer à Presidência dos EUA

Published

on

Donald Trump
Reprodução/Twitter

Donald Trump

A investigação que motivou uma operação de busca e apreensão do FBI na casa do ex-presidente americano Donald Trump em Mar-a-Lago, na Flórida, nesta segunda-feira pode torná-lo inelegível para concorrer a novos cargos públicos federais nos Estados Unidos, incluindo a Presidência da República.

De acordo com seus primeiros informes, ainda extraoficiais, a operação está relacionada a uma investigação sobre documentos sigilosos do governo que Trump ilegalmente levou consigo quando deixou a Casa Branca, em vez de entregar para o Arquivo Nacional americano.

Os presidentes americanos são obrigados pela Lei de Registros Presidenciais (PRA, na sigla em inglês) a transferir todas as suas cartas, documentos de trabalho e e-mails para os Arquivos Nacionais, órgão responsável por administrar a preservação dos registros presidenciais.

As penalidades por violar essa lei incluem, além de multas e sentenças de até três anos de prisão, a desqualificação para ocupar qualquer cargo federal. Num contexto no qual Trump indica se preparar para concorrer à Presidência novamente em 2024, a punição, incomum nos EUA, pode impedi-lo de retornar à Casa Branca.

Em fevereiro, os Arquivos Nacionais pediram ao Departamento de Justiça para investigar Trump por desrespeitar a lei de preservação de documentos oficiais.

A norma em questão – a Seção 2071 do Título 18 do Código dos Estados Unidos – torna crime se alguém que detém a custódia de documentos ou registros governamentais “deliberada e ilegalmente ocultar, remover, mutilar, obliterar, falsificar ou destruí-los”.

Pouco após o pedido oficial, o órgão disse ter recuperado 15 caixas de papéis de Mar-a-Lago, que Trump deveria ter entregue quando deixou a Casa Branca.

Leia Também:  Aquecimento global: Biden pode declarar 'emergência climática' nos EUA

Em um comunicado na época, Trump reconheceu a cooperação com os Arquivos Nacionais. “A caracterização da mídia do meu relacionamento com a Nara [National Archives and Records Administration, os Arquivos Nacionais] é uma fake news. Foi exatamente o contrário! Foi uma grande honra trabalhar com a Nara para ajudar a preservar formalmente o legado de Trump”, disse o ex-presidente.

Mas as autoridades do arquivo dizem que o ex-presidente rasgou ilegalmente muitos documentos. Alguns precisaram ser colados novamente, afirmaram. Os documentos podem incluir segredos do governo classificados como sigilosos, segundo a emissora CBS News. Entre eles estão cartas entre Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un e a carta de transferência presidencial de Barack Obama.

Ainda assim, não é garantido que, mesmo se condenado, Trump de fato ficaria inelegível. Vários juristas argumentam que a Constituição estabelece critérios de elegibilidade para quem pode ser presidente, e que o direito penal comum — âmbito jurídico da lei em questão — não tem o poder de determinar quem pode ocupar cargos políticos. Ainda assim, Trump poderia precisar recorrer nos tribunais para poder se candidatar, o que geraria desgaste.

Guerra jurídica

Líderes republicanos e conservadores reagiram com indignação à operação, sugerindo que a prática significa uma instrumentalização do Judiciário com fins políticos.

O deputado republicano Kevin McCarthy, líder da minoria na Câmara, disse em um comunicado que “o Departamento de Justiça atingiu um estado intolerável de instrumentalização política.” O departamento em questão precisou autorizar a operação, e especula-se que a ordem tenha passado por seus mais alto níveis.

Leia Também:  Tempestade destrói navio e deixa 27 desaparecidos em Hong Kong

Um dos ataques mais furioso veio do do deputado estadual republicano da Flórida Anthony Sabatini, que está concorrendo ao Congresso nacional nas eleições legislativas de novembro.

“É hora de nós, da Assembleia Legislativa da Flórida, convocarmos uma sessão legislativa de emergência e alterarmos nossas leis em relação às agências federais”, escreveu Sabatini no Twitter. “De cortar todos os laços com o Departamento de Justiça imediatamente. Qualquer agente do FBI que conduza funções de aplicação da lei fora do alcance de nosso Estado deve ser preso imediatamente”.

Em um post na semana passada, Ric Grenell, que atuou como diretor interino de inteligência nacional de Trump, disse que, se o ex-presidente for reeleito, ele precisa “limpar o FBI e o Departamento de Justiça”.

A resposta republicana à busca também procurou incutir medo nas pessoas comuns, sugerindo que elas também podem se tornar alvo de agentes federais.

“Se podem fazer isso com um ex-presidente, imagine o que podem fazer com você”, escreveu a conta no Twitter que representa a bancada republicana na Câmara.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA