CUIABÁ

GERAL

Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo

Publicado em

Em até dez anos, os sistemas de inteligência artificial serão capazes de ter “sentimentos” e tomar decisões próprias, disse hoje (24) o vice-presidente para América Latina da H2O.ai, Daniel Garbuglio.

“Para que a gente precisa de máquinas que têm sentimento? Isso é um caminho que está se convergindo em futuro de cinco a dez anos”, afirmou durante palestra na Viasoft Connect, evento de inovação que acontece em Curitiba. A empresa, com sede nos Estados Unidos, desenvolveu soluções para mais de 20 mil organizações em todo o mundo.

O executivo explicou que, atualmente, as inteligências artificiais são baseadas em algoritmos, modelos que trazem respostas a partir de dados e cálculos. No entanto, segundo ele, o desenvolvimento desse tipo de tecnologia está avançando na direção de buscar replicar as formas subjetivas de tomada de decisão dos seres humanos.

“O modelo [atual] trabalha em cima de um modelo matemático e pronto. O que estão fazendo, e não quer dizer que eu concorde com isso, a ideia é que a máquina comece a tomar decisões por ela própria, mas não baseada no algoritmo, baseada em um outro modelo que é o que o cérebro faz hoje”, explicou em entrevista à Agência Brasil.

Esse futuro próximo está longe, segundo Garbuglio, das previsões desastrosas de alguns filmes de ficção científica, como o Exterminador do Futuro. Mas, deverá trazer debates importantes. “Como eu vou definir que esse é o sentimento bom e esse é o sentimento ruim? Como isso vai influenciar a decisão das pessoas?”, questionou sobre as portas que serão abertas com a construção dos novos modelos. “Porque, hoje, o processo decisório é fácil”, compara em relação aos sistemas que usam algoritmos.

Leia Também:  Fiesp recebe festival que mistura arte, criatividade e tecnologia

A inserção de padrões subjetivos na programação deve ser feita, na opinião de Garbuglio, com muita cautela, porque serão definidoras de tudo que a máquina fará dali em diante.

“A hora que eu colocar sentimento, achando você bonito e ele não tão bonito, você monta modelos de padrões de beleza”, exemplificou. Mas, acrescentou, o ponto é justamente no momento da definição inicial. “O problema é na hora que eu decido o que é bonito. Isso é uma coisa que você tem que tomar muito cuidado, porque você começa a colocar nas máquinas a capacidade de decidir 100% por você”, enfatizou.

Análise de comportamento

Atualmente, os modelos de inteligência artificial já são capazes de mapear os sentimentos de pessoas a partir de padrões de comportamento. O executivo citou como exemplo a solução desenvolvida pela H2O para uma grande empresa de cimento do México.

A companhia enfrentava grandes problemas operacionais e prejuízos financeiros toda vez que um dos diretores deixava o cargo. “Nós criamos para eles, para o departamento de recursos humanos, um modelo de previsibilidade, baseado no padrão de e-mail que o cara escreve para saber a chance de ele sair em seis meses”, contou.

Leia Também:  Zelensky demite chefe do serviço de Inteligência e procuradora-geral

A análise leva em consideração os padrões de comportamento anteriores, como tempo de resposta e termos usados, cruzando com outras informações, como se o profissional está ou não de férias.

“Quando você lê um livro, é a mesma coisa que escrever um e-mail, a gente tem algoritmos que conseguem ler e saber se está aumentando o nível de tensão da conversa”, disse.

Esse tipo de tecnologia está, de acordo com Garbuglio, sendo requisitada por empresas que trabalham com marketing político no Brasil, devido à aproximação das eleições.

“Em inteligência artificial, a gente tem alguns clientes que estamos ajudando, empresas de marketing, a analisar perfis de comportamento toda vez que um político posta [conteúdo nas redes sociais]” revelou.

*O repórter viajou a convite da organização do Viasoft Connect.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

GERAL

Abertas inscrições para o 9º Festival Ibero-americano de Cinema

Published

on

Estão abertas até o dia 31 inscrições de curtas-metragens ou roteiros de curtas e longas-metragens para o 9º Festival Ibero-americano de Cinema (FIA Cine), que será realizado na primeira quinzena de novembro, em formato híbrido, sendo presencial em São Paulo e no Rio de Janeiro e online para pessoas de todos os países. Podem participar cineastas da América do Sul e de Portugal e Espanha, informou hoje (16) à Agência Brasil o diretor do festival, Beto Neblina.

Serão realizadas três mostras de curtas-metragens no FIA Cine: competitiva, paralela e de filmes de Luanda (Angola), resultado de intercâmbio com o Viana Cine Fest, do país africano. “Participam em torno de 25 curtas exibidos e 12 prêmios, no total. ”A escola de cinema Roteiraria oferecerá dois cursos online à escolha dos premiados, que receberão livros de cinema da Summus Editorial; dois prêmios no valor de R$ 6 mil cada, para locação de luminária, maquinário e acessórios da empresa Naymovie; prêmio no valor de R$ 5 mil em finalização de imagem dado pela empresa Mistika; e bolsa integral do Curso de História do Cinema Mundial da Ethos Comunicação & Arte, entre outros prêmios.

Homenagem

Como já é tradição no FIA Cine, serão homenageados importantes nomes do cinema, com exibições de longas-metragens importantes da biografia de cada um.

Nos últimos oito anos, foram distinguidos atores e diretores como Milton Gonçalves, Suzana Amaral, José Mojica Marins, Ruth de Souza, Beto Brant e Carlos Reichenbach. No ano passado, foi exibido o filme brasileiro Rainha Diaba, de 1974, dirigido por Antônio Carlos Fontoura, em homenagem ao ator Milton Gonçalves. Para a edição 2022, os nomes dos homenageados ainda estão sendo definidos.

Leia Também:  Bolsonaro volta a reclamar da falta de informações de inteligência

Todas as atividades do festival são gratuitas. O evento já possibilitou encontros com importantes nomes do mundo cinematográfico nacional, como os cineastas João Batista de Andrade e Carlos Reichenbach, o roteirista Fernando Bonassi, a cartunista Laerte Coutinho. O cineasta José Mojica Marins (Zé do Caixão) participou da primeira edição, batizando o Troféu Mojica e ministrando uma oficina de cinema.

Estreia

Em 2020 e 2021, em razão da pandemia do novo coronavírus, o festival foi realizado virtualmente. Beto Neblina destacou que, anteriormente, todas as edições ocorreram presencialmente, em São Paulo. O evento será realizado pela primeira vez no Rio de Janeiro, em parceria com o cineasta e produtor Cavi Borges. “É um sonho antigo nosso”, disse o diretor do FIA Cine.

Segundo Beto Neblina, a expectativa é que, depois da pandemia, “as pessoas tenham sede de assistir mais curtas-metragens e que isso desperte no Rio de Janeiro uma curiosidade, porque dificilmente se vê curtas angolanos por aqui”. O FIA Cine terá, pela primeira vez curtas espanhóis e portugueses na competição, “pelo fato da extrema qualidade dos filmes europeus”.

Leia Também:  Dra. Eudócia pede ajuda ao Executivo para socorrer vítimas das enchentes em Alagoas

O Festival Ibero-americano de Cinema é uma realização da Cachaça Filmes, com apoio institucional da Embaixada da Espanha no Brasil e do Consulado do Chile. O evento se notabilizou pelo júri de mais alto nível dentre os festivais do Brasil.

Entre os nomes que integraram a comissão julgadora estão Matheus Nachtergaelle, Marisa Orth, Caco Ciocler, Claudia Abreu, Taumaturgo Ferreira, Zezé Motta, Rosi Campos, Mayara Magri, Elias Andreato e Leopoldo Pacheco (atores), Roberto Santucci, Sergio Rezende, João Batista de Andrade, Carlos Reichenbach, Beto Brant e Hilton Lacerda (diretores), Paulo Cursino, Fernando Bonassi, Marcílio Moraes e Marçal Aquino (roteiristas). O festival também costuma contar com a participação de jurados internacionais, como o cineasta mexicano Guillermo Arriaga, o novelista português João Nunes e o maestro espanhol Andreu Jacob.

Visibilidade

O FIA Cine foi criado com o objetivo de dar visibilidade aos curtas-metragens e projeção a novos cineastas. Batizado inicialmente de Festival Latino-americano de Cinema (Curta Neblina), realizou oito edições apenas com filmes latinos na Mostra Competitiva, mas cresceu neste ano, tornando-se ibero-americano, daí a mudança de nome para Festival Ibero-americano de Cinema (FIA Cine). 

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA