CUIABÁ

ECONOMIA

Procel economiza 22,7 bilhões de quilowatts-hora em 2021

Publicado em

O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) respondeu pela economia de cerca de 22,73 bilhões de quilowatts-hora (kWh) de energia elétrica em 2021, o que corresponde a 4,54% do consumo total de eletricidade no Brasil.

Esse volume é suficiente para atender 11,49 milhões de residências durante um ano. A redução do consumo de energia elétrica é equivalente à energia gerada por uma usina hidrelétrica com capacidade de 5.451 MW, revela o Relatório de Resultados 2022 – ano-base 2021 do Procel, divulgado hoje (20).

O documento indica que essa economia significa quase metade da produção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, ou 2,5 vezes a produção das usinas nucleares Angra 1 e 2 juntas, situadas na Costa Verde do estado do Rio de Janeiro.

As ações desenvolvidas pelo Procel, no ano passado, contribuíram também para que o Brasil evitasse a emissão de 2,87 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente (tCO2e) na atmosfera, o que equivale às emissões geradas por 987 mil veículos em um ano.

Com investimento de pouco mais de R$ 300 milhões, os resultados alcançados pelo Procel em 2021 foram considerados “altamente satisfatórios”, tendo em vista o cenário do país no ano passado, com onda de casos de covid-19 no primeiro trimestre e a maior crise hídrica energética em 91 anos.

A estimativa é que as ações fomentadas pelo programa contribuíram para reduzir a demanda em 7.508 megawatts (MW). O custo anual evitado, em função dos resultados energéticos proporcionados pelas ações do Procel no ano, atingiu em torno de R$ 4,261 bilhões.

Fomento

O gerente do Programa Nacional de Conservação de Energia, Marcel da Costa Siqueira, comentou que, diante do cenário de insegurança energética, os resultados obtidos mostraram que o programa exerceu o seu papel de fomentar políticas públicas de Estado ao destinar a aplicação de recursos públicos para projetos que possam dar retorno imediato para a sociedade. Segundo ele, são mais de 150 projetos que se encontram em andamento de forma simultânea.

Siqueira lembrou ainda outro ponto importante que “é o efeito multiplicador do programa que os números não mostram, já que as metodologias e os profissionais capacitados pelo programa servem ao mercado em geral, independentemente dos investimentos diretos do Procel”.

Leia Também:  Fiemt sedia palestra sobre gestão consciente e geração de valor na gestão

O relatório registra também o valor empenhado em 2021, de R$ 306,6 milhões, para o desenvolvimento de novos projetos para os próximos anos. Esses recursos são provenientes da Lei nº 13.280/2016 (Lei do Procel), que determina um orçamento próprio e permanente para que o programa possa realizar investimentos em projetos de eficiência energética. Graças à lei, a Eletrobras, que é a entidade jurídica executora do Procel, não precisa investir recursos próprios nos projetos do programa, e é ressarcida posteriormente pelos custos administrativos e de pessoal cedido para os trabalhos do Procel.

Desde a sua fundação, em 1985, o Procel contabiliza investimentos em eficiência energética da ordem de R$ 3,89 bilhões em recursos próprios da Eletrobras, da Reserva Global de Reversão (RGR), de outros investimentos de fundos internacionais e, desde 2016, com recursos da Lei 13.280. A economia de energia proporcionada nesses 36 anos alcançou 217,9 bilhões de kWh.

Projetos inovadores

Um dos destaques do Procel em 2021 foi a alocação de recursos em projetos inovadores, como o Programa Lab Procel, integrante do 2º Plano de Aplicação de Recursos do Procel (PAR-Procel 2018/2019), cujo objetivo é acelerar soluções de eficiência energética. Em 30 meses de atividades, com foco em startups (empresas emergentes) e micro e pequenas empresas, o Lab Procel foi executado por meio de convênio entre a Eletrobras e a Firjan/Senai, com recursos no montante de R$ 16,670 milhões para a aceleração e pré-aceleração tecnológica e de negócios das soluções inovadoras. Desse total, o Procel participou com R$15 milhões.

Para o engenheiro da Eletrobras, Thales Terrola e Lopes, integrante da equipe de coordenação do Lab Procel, “os resultados alcançados pelo Programa Lab Procel mostram a assertividade desse projeto, que traz como principal resultado a oferta ao mercado nacional de soluções em eficiência energética dotadas de elevado grau tecnológico e capazes de trazer benefícios energéticos aos seus usuários”. Terrola e Lopes observou ainda que as empresas participantes estão agora mais preparadas para enfrentar os desafios do mercado.

Leia Também:  Nubank, Banrisul e mais empresas abrem 400 vagas em tecnologia

Outra iniciativa inovadora implementada pelo Procel é o projeto de desenvolvimento do Centro de Excelência em Eficiência Energética na Indústria. Pioneiro na América Latina, o projeto é um desdobramento das atividades do Programa Aliança, parceria do Procel com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e entidades do setor, para levar ações de eficiência energética para indústrias energointensivas. Com a conclusão do primeiro ciclo do Programa Aliança, no qual participaram 12 plantas industriais, foi alcançada uma economia de energia em cerca de 175 bilhões de kWh.

Novos projetos

O Relatório Procel 2022 – ano base 2021 apresenta, no capítulo ‘O que vem por aí’, algumas atividades iniciadas no ano passado e que serão concluídas nos próximos anos. Um dos projetos com maior expectativa é o “Smart Selo Procel – Aplicações em Plataforma Blockchain para Certificação de Eficiência Energética”. Aprovado no PAR Procel (2020/2021), o projeto inova ao prever o estabelecimento de aplicações e funcionalidades, em uma plataforma blockchain, para suporte ao processo de certificação de eficiência energética e reposicionamento tecnológico do Selo Procel.

Outro projeto aguardado com expectativa é a Pesquisa de Posses e Hábitos de Uso de Equipamentos Elétricos na Classe Comercial e de Serviços (PPH Comercial). A PPH Comercial é inédita no Brasil e constitui a primeira pesquisa do Procel dedicada a identificar os hábitos de consumo de energia elétrica nas classes comercial e de serviços. Com previsão de ser concluída no segundo semestre de 2023, a PPH Comercial será realizada de forma presencial em todas as 26 capitais estaduais do Brasil, além de Brasília.

No segmento de edificações, destaque para o Projeto Esplanada Solar, cujo objetivo é a instalação de usinas solares fotovoltaicas nos edifícios da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Serão investidos R$ 31 milhões na construção dessas usinas. Os ministérios beneficiados se comprometerão a implementar medidas de eficiência energética de baixo e médio custos, além de um Sistema de Gestão de Energia.

Edição: Lílian Beraldo

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

ECONOMIA

Pesquisa aponta otimismo em níveis pré-pandemia, em Cuiabá

Published

on

O segundo semestre de 2022 começou com bons indicadores da pesquisa que monitoram a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) em Cuiabá. O índice de julho atingiu 81,1 pontos, nível 4,7% superior ao verificado no mês anterior e 21% maior que o apontado em julho do ano passado. Além disso, a pontuação voltou a registrar índice pré-pandêmico, depois de contabilizar o sétimo mês consecutivo de aumento no indicador.

A pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e analisada pelo Instituto de Pesquisa e Análise Fecomércio Mato Grosso (IPF/MT) mostra, ainda, que o índice já acumula alta de 11,1% de janeiro a julho, o que revela um cenário positivo em relação ao consumo para o segundo semestre do ano.

O presidente da Fecomércio/MT, José Wenceslau de Souza Júnior, também destaca a melhora da pesquisa, visto o aumento da geração de emprego no País. “Uma das causas para o crescimento contínuo da pesquisa tem a ver com o maior número de pessoas empregadas, que já soma um saldo de 1,3 milhão de novos trabalhadores em todo o País com carteira assinada e dispostas a consumir”.

Leia Também:  Senado aprova PEC das 'Bondades' em primeiro turno

Entre os subíndices avaliados na Capital, a maioria apresentou um resultado positivo na variação mensal, com destaque no indicador da Perspectiva do Consumo e o Nível de Consumo Atual, com 11,9% e 8,6% de aumento, respectivamente. Entretanto, o único subíndice que apresentou variação negativa foi o de Compra a Prazo (Acesso ao Crédito), registrando uma variação mensal de -2,8%, podendo estar relacionado à alta da taxa de juros.

“Começamos o segundo semestre de 2022 com muito otimismo, tendo em vista que desde janeiro só registramos crescimento no Índice de Intenção de Consumo das Famílias e em julho já batemos recorde no ano. Isso demonstra que mesmo com os fatores externos influenciando a economia e a alta da taxa de juros, o consumo continua animado na Capital mato-grossense”, explicou Wenceslau Júnior.

Segundo o IPF/MT, o ICF da Capital está acima da média nacional, que registrou 80,7 pontos, que também vem acumulando consecutivos aumentos. “Ou seja, mesmo com a pesquisa sendo realizada na Capital somente, é possível ver os sinais de crescimento no consumo em todo o Estado”, concluiu o presidente da Fecomércio/MT se referindo às operações de crédito no Estado para pessoas físicas, que chegou a mais de 103 bilhões em abril de 2022, segundo o Banco Central.

Leia Também:  Transações bancárias por canais digitais crescem 23% em 2021 e já são 7 em cada 10 operações no país

 

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA