CUIABÁ

AGRO & NEGÓCIOS

Período de seca em MT serve de alerta para produtores buscarem suplementação alimentar para os animais

Publicado em

Com a chegada recente do período de seca neste ano, no estado de Mato Grosso, os produtores rurais da região devem ficar atentos à alimentação e nutrição de seu gado. Segundo os dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), uma redução significativa foi registrada no volume de chuvas desde o mês de abril, em comparação com a mesma época do último ano.

As regiões que mais foram atingidas pela seca precoce neste período foram a Sudeste e o Centro-Sul. Com isso, significante parte dos pecuaristas começaram a liberar seus animais por conta da baixa qualidade dos pastos. A tendência ainda é de que o clima seco perdure pelos próximos 30 dias.

Em boa parte do estado, o esperado é de que as chuvas acumulem entre 10 e 25 milímetros, sendo que a região nordeste registrará maior seca, com previsão de chuvas de apenas 5 milímetros. Perante a isso, os produtores que não buscarem por sistemas mais intensivos, poderão registrar perdas no processo de engorda dos animais.

Leia Também:  Onda de calor na Europa: Itália liga 'alerta vermelho' em 16 cidades

“O produtor tem que estar sempre se preparando para esse período de seca, pois é justamente o momento em que o animal vai deixar de ganhar peso, pode surgir o efeito sanfona e isso prejudica a terminação desse animal”, explicou o gerente de relações institucionais da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Nilton Mesquita.

O gerente de relações ressalta que devido à falta de chuvas, a pastagem não possui condições adequadas para suprir a alimentação do gado. Com isso, o produtor rural precisa buscar outras alternativas de alimentar o animal, sendo, por meio de semiconfinamento ou um confinamento, que podem suprir a necessidade de pasto.

“O produtor tem que procurar na região dele quais seriam as soluções para ele criar uma ração ou uma complementação do pasto neste período de seca, que tem sido mais longo nos últimos anos. Ao mesmo tempo, os produtores devem ter um cuidado redobrado com os custos, para não ter um grande impacto econômico no seu negócio”, concluiu.

Leia Também:  Setor agropecuário gera mais de 84 mil vagas de empregos em 2022
Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

AGRO & NEGÓCIOS

Estresses ambientais impactam a safra 21/22 de algodão em MT

Published

on

Nebulosidade, atraso no crescimento vegetativo, escassez hídrica e enchimento das maçãs prejudicado foram alguns dos problemas que permearam o ciclo da cultura.

O algodoeiro sofre interferência direta de fatores adversos ou favoráveis durante a safra, com impacto significativo sobre o desenvolvimento vegetativo, produção e na qualidade da fibra. É exatamente o que está sendo observado durante a colheita da safra 2021/22 em várias regiões produtoras.

Apesar da adequada janela de semeadura em janeiro em todas as regiões de Mato Grosso, o ciclo da cultura foi comprometido pelo excesso de chuvas (resultando em plantas com raízes superficiais) e temperaturas mais amenas, decorrentes dos dias nublados no final daquele mês e também no início de fevereiro. “Assim, atrasou em cerca de 10 a 15 dias o aparecimento do primeiro botão floral e, consequentemente, o surgimento da primeira flor”, explica o professor Ederaldo José Chiavegato, doutor em produção vegetal e palestrante convidado do Encontro. É exatamente isso que se tem constatado em termos de qualidade e produtividade das plumas colhidas até agora.

Normalmente, a primeira flor do algodoeiro surge em torno de 55 dias após a emergência. Contudo, neste ano, segundo Chiavegato, o aparecimento ocorreu em torno de 65 dias ou mais (10 a 15 dias de atraso, dependendo da região produtora) e isso aumentou o ciclo da cultura.

Já na etapa final de floração e início da fase seguinte de maturação, o encerramento das chuvas em abril teve influência direta na produção. “Em alguns anos podem ocorrer algumas chuvas regionais de maio, principalmente na região de Campo Novo do Parecis. Porém, não é prudente que o produtor conte com essas precipitações incertas deste mês, na maioria das regiões produtoras, para o enchimento das maçãs do ponteiro, principalmente quando o sistema radicular é superficial como o que encontramos nesta safra”, alerta o especialista.

40 dias que valem uma safra inteira

Os primeiros 40 dias do ciclo do algodão (compreendendo a germinação e emergência, o desenvolvimento inicial e o vegetativo) contempla um dos períodos mais importantes na produção, ou seja, o potencial produtivo é definido nesta fase.

Leia Também:  Oeste de Mato Grosso e centro-sul de Rondônia recebem a terceira rota do Confina Brasil 2022, da Scot Consultoria

As regiões produtoras de algodão de Mato Grosso, com exceção da microrregião de Primavera do Leste (no Sudeste do Estado), semeiam a segunda safra de algodão a partir de janeiro, podendo adentrar até a primeira quinzena de fevereiro. É aí que já começam as preocupações dos cotonicultores, pois neste período, via de regra as temperaturas são favoráveis para a rápida germinação e emergência, porém, como comenta Chiavegato, a alta umidade no solo favorece o estresse anoxítico, que é deficiência ou falta de oxigênio no solo.

Com essa soma de fatores, o arranque inicial das plântulas é comprometido, reduzindo o vigor da cultura. “Temos que considerar que este é um fato real, com altíssimas probabilidades de ocorrência, com consequências negativas nas fases seguintes do ciclo. Ou seja, estas condições jamais podem ser negligenciadas”, reforça.

Assim, os produtores devem sempre considerar ações de manejo para minimizar este cenário, tais como: qualidade das sementes, profundidade de semeadura e descompactação do solo. Além disso, proporcionar o adequado balanço hormonal para o processo de germinação e emergência, entre outras.

Raízes afetaram a produtividade

A temperatura e a umidade têm grande influência no crescimento das raízes do algodão. Quando estão elevadas durante as primeiras semanas após o plantio, podem prejudicar bastante toda a produção. Nesta fase, o algodoeiro prioriza o desenvolvimento do sistema radicular, ou seja, danos de quaisquer natureza representam diretamente danos à planta. “Condições climáticas adversas e ações de manejo consideradas inevitáveis (uso de herbicidas, atrasos nas adubações nitrogenadas, entre outras) contribuíram para um desenvolvimento deficiente do sistema radicular”, aponta o professor.

Quais as consequências?

Via de regra, para todas as microrregiões produtoras da pluma em segunda safra em Mato Grosso, é alta a probabilidade de ocorrência de longos períodos de dias chuvosos, inclusive com grandes volumes, causando nebulosidade. Segundo o especialista, está evidente, na safra 2021/22, os efeitos deste cenário no desenvolvimento inicial das plantas.

Ainda de acordo com Chiavegato, observou-se o aumento do número de nós vegetativos até o aparecimento do primeiro botão floral. “Normalmente, este número se situa entre cinco e seis nós. As altas nebulosidades nesse período condicionaram as temperaturas mais baixas, assim, foi comum verificar o aumento para sete a oito nós, atrasando o ciclo da cultura em cerca de 10 a 12 dias”, constata.

Leia Também:  Secretaria alerta para baixa cobertura vacinal contra o saram...

Com isso, houve mudança no final do ciclo para condições mais prováveis de ocorrência de déficit hídrico. Fato este que, associado ao sistema radicular mais superficial, pelo excesso de água no solo e falta de oxigênio, comprometeu severamente o enchimento das últimas maçãs do ponteiro, sobretudo nas épocas tardias de semeadura.

Para Chiavegato, pode-se considerar, cronologicamente, que as janelas de semeadura nesta segunda safra, em todas as regiões produtoras, foram adequadas. “Porém, os problemas no final do ciclo com o corte definitivo das chuvas a partir do mês de abril, durante o enchimento das maçãs de ponteiro e, neste ano, com muitas maçãs de segunda e terceira posições em fases de enchimento, foram resultantes das condições climáticas registradas na fase de implantação da cultura”, sinaliza.

Da maturação à colheita

A fase de maturação até a colheita dura cerca de 50 dias e, durante esse tempo, ocorre o desenvolvimento das sementes e fibras e a abertura das maçãs. É este período também o responsável pela qualidade do algodão produzido. Ou seja, temperatura e umidade têm influências significativas no crescimento e desenvolvimento dos frutos, na formação das fibras, interferindo consequentemente na qualidade e no rendimento delas. O ideal são temperaturas amenas e diminuição da necessidade hídrica.

O cotonicultor precisa ter em mente que flutuações térmicas, hídricas e quantidade e qualidade da radiação incidente durante o ciclo da cultura, bem como das decisões e ações de manejo adotadas desde o estabelecimento inicial das plantas, interferem fortemente na capacidade delas no enfrentamento das possíveis variações climáticas nesta fase final. “Podemos ressaltar que dentre as decisões e ações de manejo, merece atenção por parte do produtor o rigor na adequação da época de semeadura e das características intrínsecas das cultivares escolhidas”, orienta o especialista.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA MT

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA